• Rachel Fernandes

Os 5 mitos da escrita (e como combatê-los)



Escrever não é difícil. O que complica o processo são os mitos que rolam por aí. Abaixo, compilei 5 mitos que precisam urgentemente serem desvendados no mundo da escrita!


MITO 1: "Inspiração é essencial para escrever"


Esse talvez seja o mito mais difundido sobre a escrita e as artes: ninguém trabalha sem inspiração. O que não poderia estar mais errado.


Foi-se o tempo em que acreditávamos no clichê do artista largadão que não move um dedo até ser atingido pela iluminação da Musa. Criatividade, como já conversamos diversas vezes, é um modo de operar. É um músculo que você precisa exercitar com frequência.


"Inspiração existe, mas precisa encontrar você trabalhando."

Essa frase de Picasso é a que melhor define a relação do artista/escritor com a inspiração.


As boas ideias não surgem do nada. Elas são resultado de uma construção das influências do escritor. De influências que são combinadas e recombinadas enquanto o escritor trabalha.


Inspiração existe? É claro. Mas não é o que termina ou começa suas histórias.


Esse papel só pertence a você.


MITO 2: "Escritores têm um 'dom'"


Cada vez que ouço essa frase, meus olhos se reviram com tanta força que tenho medo de que eles nunca mais voltem ao lugar. Principalmente quando ouço esse absurdo vindo de escritores.


Escritores não têm um dom. Não é a iluminação de uma entidade superior que coloca a mão sobre nossa cabeça e diz, numa voz potente e paternal: é hora de escrever, meu amor.


A diferença entre um escritor e as outras pessoas é somente uma: o volume de material escrito.


Todos nós escrevemos. Eu, você, sua vizinha barulhenta e seu colega de escola escrevem, mas com propósitos diferentes.


Alguns escrevem de maneira profissional. Outros escrevem somente como hobby, sem pretensão alguma de publicarem ou ganharem renda com isso. Outros, ainda, escrevem somente porque é necessário no cotidiano, seja uma mensagem ou um email. E tudo bem.


Somos todos escritores quando escrevemos. O que nos diferencia é somente o tempo que passamos escrevendo. E nossos propósitos. Um profissional passa muito mais horas por dia escrevendo do que alguém que encara a atividade como hobby. Saiba diferenciar os dois.


E substitua "dom", "talento" e outros sinônimos manjados por "trabalho duro" e "dedicação". Impossível de errar.


MITO 3: "Não tenho tempo para escrever"


Talvez essa seja uma das desculpas mais esfarrapadas que os escritores e criativos usam por aí. A grande verdade é apenas uma: todos nós temos as mesmas 24 horas por dia. O que nos diferencia um dos outros é como usamos esse tempo.


Austin Kleon, autor de Mostre Seu Trabalho! e Roube Como Um Artista, tem uma máxima incrível. Ele disse o seguinte:


"As pessoas me perguntam como encontro tempo para fazer tudo isso. Minha resposta é simples: eu procuro."

E o mesmo princípio é válido para a escrita: quando você procura tempo, você encontra.


Mesmo com uma rotina corrida, é impossível acreditar que você não tenha 5 minutos do seu dia para escrever pelo menos um parágrafo. Existem diversas técnicas e livros sobre a importância desses 5 minutos na sua escrita, mas indico o Immediate Fiction (sem tradução), do autor norte-americano Jerry Cleaver.


O autor detalha no capítulo 12 uma técnica perfeita para escrever 5 minutos por dia. Segundo ele, você deve escrever 5 minutos todos os dias durante um mês. Sem perguntas, sem considerações, sem desculpas. Somente ao final de 30 dias você poderá avaliar se o método funciona ou não.


Entretanto, mais importante do que se comprometer com a escrita, é escrever. Não queremos uma história pronta e perfeita, mas apenas uma forma de inserir a escrita no seu cotidiano. Pratique escrita livre. Divirta-se.


Escreva sem pressão, mas escreva 5 minutos por dia. Aos poucos, aumente essa meta para 10 ou 15 minutos.


Lembre-se: não visualize como 15 minutos INTEIROS escrevendo, mas como 3 sessões de 5 minutos. Engolir o sapo aos poucos deixa o sabor menos amargo.



MITO 4: "Ninguém vai ler o que eu escrevo"


Aí vai um ditado de vó: "sempre existe um chinelo velho para um pé cansado".


Deixando as brincadeiras — e a sabedoria popular — um pouco de lado, alguém sempre vai querer ler suas histórias. Sério.


Pode até parecer que agora você não seja lido por ninguém, mas você é.


Depois de passar anos escrevendo e deixando minhas histórias na gaveta, em 2016 criei uma conta no Wattpad, plataforma digital para compartilhamento de histórias. Meu primeiro pensamento foi: "bom, se pelo menos uma pessoa ler minhas histórias, já posso considerar uma vitória".


Hoje, tenho quase 7 mil leitores na plataforma.


Acredite quando digo que você sempre é lido, querendo ou não. Se você se interessa por suas histórias, as pessoas vão se interessar.


Não existem atalhos quando o assunto é escrever ou mesmo ser lido. Escreva, escreva e escreva. Ofereça seu melhor trabalho aos leitores, mesmo que eles sejam um grupo pequeno.


E jamais menospreze a força de uma audiência fiel. É melhor poucos e bons leitores, do que milhões que não dão a mínima pra você.


MITO 5: "O que eu escrevo não é bom"


Aceite que o seu primeiro rascunho vai ser uma droga. Aceite que você vai escrever muitas coisas ruins antes de escrever coisas boas. Aceite as falhas do seu primeiro rascunho e viva uma vida mais tranquila.


O julgamento precoce é um dos piores inimigos do escritor. Quando você abre o editor de texto e, mesmo sem escrever, já diz que está uma porcaria, você cria uma barreira difícil de ser ultrapassada no futuro.


Quando você for escrever, desligue o crítico.

É a escrita ruim que leva à escrita boa. Aliás, é para isso que existe o processo de revisão: somente após a revisão seu texto vai brilhar e ficar compreensível para o outro. Mas, para você revisar, você precisa escrever.


Uma frase incrível da autora Jenna Moreci é essa: "Escreva de um jeito merda. Você pode trabalhar com uma pilha de merda, mas não pode trabalhar com uma pilha de nada".


Portanto, a dica é simples: escreva primeiro, julgue depois.


Então, para resumir:


  • Inspiração é 1% do processo

  • Escritores são pessoas comuns

  • Seu tempo depende de planejamento

  • Alguém sempre vai querer ler o que você escreveu

  • Escreva primeiro, julgue a qualidade depois


Para encerrar o post de hoje, segue o quote:


"É só questão de prestar atenção. Atenção é vitalidade. Ela conecta você com os outros."

— Susan Sontag —

➡️ Você pode comprar o ebook de Sobre Enfermeiras e Postais na Amazon, bem como meu primeiro romance publicado, 457 Milhas. Opiniões são sempre bem-vindas!


✉️ E já que está aqui, assine minha newsletter! Pelo menos uma vez por mês eu compartilho um pouquinho do meu trabalho e das minhas inspirações por email. Além disso, é um canal perfeito para deixar você por dentro de lançamentos e promoções dos meus livros! Até a próxima!



© 2020 por Rachel Fernandes.