• Rachel Fernandes

Bloqueio criativo: confira 3 dicas para espantar esse vilão

Atualizado: Set 2



Existem milhões de dicas por aí sobre como escrever, mas o assunto de hoje é um pouquinho mais focado no maior vilão da criatividade: o tal bloqueio criativo.


E como tempo é dinheiro, vamos às dicas.


1. Aceite que ele não existe


É uma afirmação polêmica? Talvez, mas é algo que acredito quando o assunto é criatividade. Bloqueio criativo não existe. O que existe, na verdade, é evasão ao trabalho criativo. E sabe o que mais? Tudo bem. Sério. Pode repetir comigo: tudo bem não querer escrever ou criar.


Mas como assim?


Eu amo escrever. Trabalho numa agência de publicidade e escrevo 8 horas por dia, 5 dias por semana. Saio do trabalho e faço o quê? Escrevo. Nos finais de semana, acordo cedo para escrever e passo boa parte desses dois dias escrevendo.


Sofro de bloqueio criativo? Não. Sofro de algo muito pior: não querer escrever.


Tem dias em que a ideia não me agrada. Dias em que só quero chegar em casa e jogar videogame até a hora de dormir. Tem dias em que fico com preguiça de escrever.


E tudo bem não querer escrever. Mas reforço: isso não é bloqueio criativo, é evasão.

Respeite seu tempo. Tire um dia de folga, mas seja honesto. Não culpe o bloqueio criativo por algo que você não quer — ou não pode — fazer. Só não se esqueça de voltar ao trabalho assim que possível.


Mas como combater essa forma de evasão? Com uma palavrinha que pode meter medo em muito gente: planejamento.


2. Planeje, planeje, planeje


Criação é planejamento, e planejamento é a melhor arma contra o — suposto — bloqueio criativo.


Pense comigo: se você sabe exatamente para onde você vai, você... vai. De novo, serei o exemplo desse artigo. Quando não quero escrever e tenho algo planejado, escrevo. E quando começo a escrever aquilo que planejei, mesmo sem um pingo de vontade... o trabalho flui e não quero parar de escrever.


Agora, outra situação: se não quero escrever e não tenho um planejamento, mesmo que tosco, de para onde devo ir, possivelmente vou terminar enterrada no sofá jogando videogame. É mais ou menos como a lógica das listas. Por que as to do lists (listas de afazeres) fazem tanto sucesso? Porque elas mandam uma mensagem clara ao cérebro: você está sendo produtivo a cada item riscado da lista! Siga em frente!

E a lógica funciona mais ou menos assim para o trabalho criativo. Se quero escrever um livro, preciso dividir o processo para não ser soterrada pela ideia. Ou pior: pelo tal bloqueio criativo.


A dica aqui é bem simples. Vai escrever uma história? Divida por capítulos. Feito? Divida por cenas. Depois, se quiser facilitar ainda mais, faça uma lista descritiva do que acontece.


  • No bar, Personagem A fala com Personagem B sobre a existência de pinguins alienígenas.

  • Eles discordam e lutam no bar.

  • Um portal se abre e eles são transportados pra terra dos pinguins alienígenas.

  • Cena/capítulo termina com Personagem A rindo de maneira histérica.


Em 4 frases eu organizei um capítulo, um roteiro com o mínimo pra qualquer autor não ficar "bloqueado".


Acredite em planejamento. Não acredite em bloqueios criativos.


3. Aposte na frequência


Um livrinho chamado Fora de Série, do autor Malcolm Gladwell, é bem conhecido no meio criativo. Aposto que, mesmo sem ler a obra, você conhece o conceito geral:


Quer ser bom? Pratique algo, qualquer coisa, por 10 mil horas.

Ah, as famosas 10 mil horas.


Como tudo na vida, essa teoria foi ligeiramente distorcida pela internet, mas ainda é útil para nós. Por quê? Porque nos ensina que o segredo para o sucesso em qualquer ramo é a frequência. A prática diária.


Esquecendo esse papo de contabilizar 10 mil horas — o que daria em torno de 10 anos dedicados a algo, desde que praticado todos os dias —, pensemos em bloqueio criativo.


Quando você se propõe a fazer algo todos os dias, você ganha estamina e o cérebro passa a automatizar o processo. A criar um hábito. E quem diz isso não sou eu, é a ciência: quando você faz algo todos os dias, seu cérebro entende isso como uma rotina. O Poder do Hábito, de Charles Duhigg, fala exatamente sobre isso. Somos e sempre seremos criaturas acorrentadas ao hábito.


Mas como criar novos hábitos? Usando gatilhos mentais.


Escolha um horário do seu dia e, durante uma semana, escreva, toque violão ou faça o que você quiser. Mas, antes de começar a atividade, pegue uma garrafa d'água e deixe ao seu lado. Depois, vá em frente.


A garrafa d'água e a hora são gatilhos para nosso cérebro. Se você pega a garrafa d'água, coloca ao seu lado e senta para escrever — ou tocar violão, ou ler, etc. — seu cérebro internaliza essa rotina e entende como um novo hábito.


E como isso elimina o bloqueio criativo?


Simples: se você tem um planejamento e uma rotina de escrita, o bloqueio criativo some. Você planejou sua história e criou um hábito. Essa sim é a receita para o sucesso.


Acredite em planejamento e hábitos. Não acredite em bloqueios criativos.


Para encerrar, o quote do dia:


"Você começa como um impostor e torna-se real."
— Glenn O'Brien —

➡️ Compre meu romance Sobre Enfermeiras e Postais na Amazon, ou LEIA DE GRAÇA pelo Kindle Unlimited. Ah, e 457 Milhas também tá bombando! Depois me diz o que achou! Vou adorar saber sua opinião :)


Até a próxima!



© 2020 por Rachel Fernandes.